quinta-feira, 12 de maio de 2016

O Telefone




Toca o telefone.

 -Alô?
 -Quem está falando?
 -Com quem quer falar?
 -Com meu marido.
 -Ele está na recepção.
 -Mas, quem está falando?
 -Quem pergunta?
 -Olha aqui, é a esposa do dono deste celular.
 -Esposa?
 -É!
 -O que gostaria?
 -Falar com ele, ora bolas! Quem está falando?
 -A secretária dele.
 -E onde ele está?
 -Na recepção.
 -Vá chamá-lo, por favor.
 -Não posso.
 -E por que não?
 -Ele me disse para não sair de onde estou, o que quer que fosse.
 -E como eu falo com ele?
 -Ligue mais tarde.

 E desligou.
 O telefone toca de novo.

 -Alô?
 -Espere, não desligue!
 -Quem está falando?
 -É a esposa do dono desse celular.
 -Ahn...
 -Onde ele está?
 -Ainda na recepção.
 -Por que raios ele está ainda aí? Olha, menina, qual seu nome?
 -É Bruna.
 -Bom, diga a ele que se ele não me retornar em dois minutos eu vou até a empresa...
 -Ele não está na empresa.
 -E onde ele está?
 -Não posso dizer.

 E desligou.
 Dez minutos depois, o telefone toca.

 -Alô?
 -De onde você está falando?
 -Eu é quem pergunto. Quem está falando?
 -Não, não... De onde você fala, querida?
 -De um motel.
 -Como?
 -Um m-o-t-e-l.
 -E o que o meu marido está fazendo em um motel? E com você?
 -Olha, eu achei que já soubesse...
 -Soubesse de quê, criatura? Piranha! Onde ele está?
 -Ele está no banheiro.
 -Chama ele, agora!
 -Não posso.
 -Como não?!
 -Ele está fazendo suas necessidades. Não posso interromper.
 -Escuta aqui, ô, menina...
 -Tenho que desligar agora.
 -Nã...

 E desligou.
 O telefone toca novamente.

 -Alô?
 -Menina, passa o telefone pra ele.
 -Quem fala?
 -Ah, mas pelo amor de Deus! É a esposa dele!
 -Ele tá no banho.
 -Passa o maldito celular pra ele!
 -Ele não vai querer atender.
 -Ah, mas ele vai querer, sim! Fala logo que eu estou na linha ou eu vou até aí e arranco cada fio de cabelo da cabeça dele e da sua também!
 -E como você vai descobrir qual o motel que estamos?
 -Não me interessa! Ou você passa o telefone para ele ou eu não respondo por mim.

 E desligou.
 Mais dez minutos e o telefone toca de novo.

 -Pronto.
 -Fernando?
 -Não, não é ele. Quem está falando?
 -Não se faça de desentendido, seu safado! É sua esposa, cretino!
 -Calma, espere aí, por que você me ligou?
 -Eu queria saber por que você demorou tanto para chegar em casa hoje, assim como quinta passada, agora eu já sei. Fala o motel que vocês estão, anda!
 -Espera aí, eu posso explicar...
 -Que explicação! Fala logo onde vocês estão.
 -Eu estou no escritório.
 -Escritório? Haha... Então sua amantezinha mentiu?
 -Que amante, do que você está falando?
 -Eu ouvi muito bem dessa lambisgóia, a Bruna, que vocês estão em um motel!
 -Que motel, meu bem, eu já te disse que eu preciso ficar mais tarde, só isso.
 -Não! Você não falou nada! E fala logo onde vocês estão ou eu faço um escândalo...
 -Catarina...
 -Catarina? Agora está confundindo meu nome, é? Tem duas com você, por acaso?

 Outro telefone toca.

 -Alô.
 -Oi, Patrícia?
 -Fernando?
 -É, eu vou chegar um pouco mais tarde. É que está chovendo muito e eu bati o carro em uma árvore, mas não foi nada grave. Só estou esperando o reboque e eu vou direto para casa. Alô?



Nenhum comentário:

Postar um comentário