sábado, 28 de julho de 2012

Crítica de Livro- Traição Entre Amigas

 Não sou muito fã de livros que falem sobre adolescência- apesar de ter lido Crepúsculo. Sempre tive uma visão de que livros assim eram chatos, de gírias demais, comportamentos rebeldes que não dá para aguentar e paixões bobonas. Mas gosto de ter uma visão ampla de tudo antes de julgar.
 O livro Traição Entre Amigas é um retrato da adolescência, mas de uma forma interessante e eu vou dizer porque: A autora, Thalita Rebouças, é uma comediante em seus textos. Quem leu não pode dizer que não riu. As situações que ela coloca os personagens, tanto ao ridículo quanto ao louco são únicas. Quando peguei o livro eu pensei: "Deve ser aqueles textos sobre Justin Bieber e Backstreet Boys". Não. É um livro que se trata basicamente de problemas que toda garota adolescente passa ou já passou.



 Amigas X Rivais

 "Não dá Penélope! Não consigo beijar um cara depois de um 'oi". Eu me vi nessa "nerdizinha" recatada chamada Luiza. Luíza tem uma amiga chamada Penélope. Penélope é uma amiga que todo mundo quer ou já teve. Ela é baladeira, linda, vaidosa, companheira que te puxa da cama quando você está triste e diz: "Bora' badalar!". As duas não se separam nem pra ir ao banheiro- E que mulher não, né?. Elas fazem teatro juntas e Luiza namora Vicent- namora não, rola, alguma coisa do tipo. Vicent é um rapaz que todas as meninas desejam, deixando o ciúme em Luiza. 
 Eis que chega o dia em que Penélope fica com o Vicent, bêbada, mas fica. O amor das duas é uma coisa muito bonita que reparei, mas por um instante. Quando Penélope conta a Luza o que aconteceu, a mesma se "transforma". Os piores xingamentos são ditos e não achei que fosse da boca pra fora. Talvez por momento de raiva, mas achei sincero. 
 Luiza então resolve virar "rebelde" e a melhor arma para isso é ser o que não é na internet. Lá ela conhece o médico Gabriel. Bonitão, ouve The Beatles, Renato Russo, toca violão, quer ter filhos- quem não se apaixonaria, não é mesmo? Afinal, internet é onde a sinceridade... Não existe! A rebeldia de Luiza é engraçada. É do tipo "pra começar, vou quebrar um prato no chão!". Ela se coloca na internet como uma pessoa totalmente diferente do que é na vida real. O mesmo que Gabriel. Em momento de paixão, quando finalmente os dois se conhecem na vida real- na orla da praia, pra deixar clima romântico- aos poucos, Luiza começa a ver a real do novo namorado. Gabriel era casado, tinha filhos, mas quando a notícia foi dada, já era tarde: Luiza estava grávida. 
 Desde momento em seguida, foi o que mais me chocou. Gabriel a forçou a fazer o aborto. Quando se coloca em uma situação assim, é realmente delicado. Na verdade, difícil de expressar, simplesmente pelo fato de ser mulher. 
 Enquanto isso, Penélope foi estudar no exterior, com intuito de ser atriz, mas não consegue. Penélope para mim se mostrou mais madura depois do erro que cometera. Porém também engravidou, sem planejar antecipadamente.
 Luiza estava mais cruel e vingativa. Ela estava com aquela sensação de vingança, queria destruir a família de Gabriel. O reencontro entre as amigas não permitiu que Luiza continuasse com a ideia. 
 A personagem Luiza se mostra extremamente sentimental. Uma pessoa que apenas segue suas emoções e pratica suas ações impulsivamente. Penélope já é uma pessoa que sabe avaliar e mudar. E se a vida está ruim, ela sempre toma uma maneira de melhorar. Porém, é uma amizade forte. Elas estivam juntas no começo e no fim.
 Espero terem gostado da crítica (-;

Nenhum comentário:

Postar um comentário