sábado, 28 de julho de 2012

Crítica de Livro- Saga Crepúsculo

Primeiramente, não li todos os livros da saga, apenas o primeiro. Livros grandes me dão curiosidade, (um pouco de medo) pois quando eu meço a largura eu penso: "Cara, é muita estória pra contar!". Eu gosto muito de escrever, mesmo, mesmo. Mas, não consigo me ver escrevendo um livro enorme! Por duas coisas o Crepúsculo me chamou a atenção:
1- O tamanho imenso do livro (não tanto quanto O Mundo de Sofia);
2- Por que as pessoas não paravam de comentar.
Como disse, não li todos, apenas o volume 1. É curioso como a autora Stephanie Meyer entra fundo nas emoções dos personagens. Ou a personagem. Isabella Swan.Gosto disso. Gosto de autores que escrevem com toda a emoção para mostrar a maneira que a personagem se comporta. Porém, Meyer foi além. Ela mostrou uma adolescente com problemas e frustrações comuns.Mas esse é ponto. Ela é uma garota com TODOS os problemas. Quando lemos ou assistimos a um filme e que o/a personagem seja dessa maneira, nós esperamos que ela supere e modifique para melhor. Bella não fez isso. Aliás, ela não teve (ou nem se deu) a oportunidade para isso. O mundo da Bella é envolto em um círculo, onde ela caminha nele.


A Estória a Fundo

 Isabella se muda para Forks. Ela é o perfil clássico e verdadeiro daquelas meninas que chegam em uma escola e não sabe com quem se enturmar (eu me vi nela nisso).Até que ela faz amizade rápido, pelo que li. Mas, então de repente, Bella vê o "menino-popular-bonito-que-ninguém-o-terá". Edward Cullen era um garoto branco, alto e diferente de todos em sua volta.
 Ele se sentava ao lado de outros Cullen no refeitório. Bella tem aquele "sentimentos de garota comum" por ele. Rapaz bonito, atração na certa, mas lógico, uma coisa fraca. O momento que mais me chama atenção (e talvez eu pule demais o livro, devo) foi a maneira que Edward ficava encantado, ao mesmo tempo enjoado pelo cheiro doce de Bella. Achei meio sedutor, menos por um momento: Edward estava apaixonado por ela. No mundo real, para que a pessoa chegue ao extremo do amor, é necessário muita convivência, compreensão e até discussão. Uma pessoa que bate o olho de do nada já é amor, é estranho e mal contado!
 Os sentimentos da Bella, é uma coisa que é contada em todo o livro. Ela é uma pessoa extremamente confusa, submissa e sem peito para nada. Todas as decisões que ela pensa são dadas a Edward e tudo que faz em sua vida são porcaria. Ou seja, ela não sabe mudar nada de ruim, simplesmente por que ela gosta de viver em dificuldades, que ela mesmo se coloca.
 Acredito que toda estória e livro tem um pouco do autor e a impressão que tenho de Stephanie Meyer é que ela é uma eterna adolescente-fantasiosa que quer tratar a realidade de uma maneira que não existe. Conforme se lê o livro, dá-se uma grande depressão. Se o leitor está feliz no momento, ao terminar o livro, vai chorar... mas de raiva. Alguns dizem: "É só um livro". Todos sabem que é. Tudo bem. Mas o livro é uma mistura de fantasia e realidade. Sentimentos não são fantasia e eu nunca encontrei alguém que se comportasse dessa maneira.
 Crepúsculo tinha tudo para ser um livro sedutor, como o Drácula, mas não foi. Simplesmente não foi.
 Espero terem gostado do meu ponto de vista (-;

Nenhum comentário:

Postar um comentário