terça-feira, 25 de setembro de 2012

O que me faz mulher de verdade?

 Quando você para pra analisar a si mesma, percebe que não passa de um pontinho na sociedade. Você é simplesmente um grãozinho de arroz, escondido no universo, traçado a ter um linha de vida, de acordo com suas atitudes presentes.
 Ao redor de mim não é de se chocar milhares de mulheres, bonitas da maneira que são e se comportam, mas não é normal estar dentro de um ônibus, olhando pela janela essas mesmas mulheres e perguntar a si mesmo: "O que me faz mulher?". Me fazer mulher pelo simples fato de ter uma vagina? Muito pouco e sem noção, talvez. Dentre milhares de atitudes que me vejo rodeada. As pessoas me influenciam e eu às influencio, de qualquer maneira que seja. Qualquer palavra que eu diga, causa um impacto, seja ela simples ou cruel. Afinal de contas, somos impactantes.

 Em meio dessa linha, confesso não chegar a total conclusão. Ser mulher é ter quadris largos? Não é bem isso. Talvez ser mulher seja aquele ser que, mesmo não forçada tão quanto aos homens, mas corajosa por que aceita que tem medos e raciocínios difíceis. E que no meio dessas dificuldades, sempre haverá uma maneira delicada e feminina de resolver todos eles.
 Eu já notei como aquela moça empresária super inteligente e bem-vestida, no meio da correria, segura seu expresso do Starbucks com toda a delicadeza que apenas uma criatura feminina pode mostrar.

 A mulher não tão jeitosinha, mas que cuida dos seus filhos com todo o carinho do mundo, deixando a si mesma pelas crianças- coisa de mãe coruja-, não deixa seus traços femininos escondidos- sério, só sensibilidade para ver isso, de poeta.
 A mulher é um ser que não precisa ser a mais bonita, a mais inteligente, a mais culta ou a mais carinhosa, mas por que simplesmente, uma mulher de verdade, não importando o que faça, sempre deixa uma marca. Pode não ser a mesma marca, ou o mesmo impacto, mas ela sabe deixar isso, discretamente e ser foi esperta o suficiente, quando sai pela porta, deixa um rastro de perfume n.1.
 Queira ou não, em tudo que se faça, a delicadeza é algo que já é da mulher.
 Será que sou mulher pelo fato de ter seios? Não mesmo.

 Uma mulher não se classifica entre mulher de verdade e vadia, até por que há outro item chamado imaturidade. A imaturidade todos já tiveram, mas há as que persistem na mesma.
 Posso não ser ainda uma mulher de verdade, e sim imatura, o que não quer dizer que sou uma vadia.
 A mulher de verdade sabe se colocar em seu lugar sem perder a classe; ela sabe pedir perdão por suas faltas e não sai com todos os cafajestes chegando apenas na conclusão de que todos os homens são iguais. A mulher de verdade é gordinha, magrinha, baixinha, alta, loira ou morena, e simplesmente se aceita, não se abala. Ela sabe a hora de manter a boca fechada e manter sua paciência. Ela vive em três conjuntos: Casa, trabalho e família e ainda sim cuida deles como os pontos mais importantes. Uma mulher de verdade, não precisa usar o corpo ou roupas curtas para se destacar. Ela poderia estar encharcada ou sem maquiagem alguma, mas sabe fazer um discurso correto e seguro. Aquela que chega em casa e dá um abraço forte no filho, por que venceu mais um dia.

 Eu ainda não sou uma mulher de verdade, mas quando ser uma, quero ter todas essas características.

Nenhum comentário:

Postar um comentário